Comer bem, isso é coisa de criança!

Quando o assunto é alimentação das crianças, tem sido cada vez mais frequente ver pais trocarem os biscoitos chips e recheados, balas e refrigerantes por opções mais saudáveis – já é possível ver em escolas meninas e meninos levando lanches bem nutritivos, que inclui até ovinhos de codorna, palitinhos de cenoura e cookies. E tanta preocupação tem razão de ser. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o índice de obesidade infantil cresce a cada ano, e ao comparar o peso de crianças e jovens em 1975 e em 2016, verificou-se que nessas quatro décadas o número de obesos cresceu de 0,7% para 5,6% entre meninas, e de 0,9% para 7,8% entre meninos.

Nutricionista do Sest Senat de Cariacica, Iêzide Klein confirma que o fluxo de atendimentos na unidade Aylmer Chieppe tem acompanhado essa tendência positiva. E o aumento no número de consultas para os pequenos, segundo ela, está diretamente ligado aos casos de obesidade infantil, que por sua vez estão relacionados à má alimentação.

“Felizmente, a boa alimentação está entrando na rotina das famílias desde cedo. E parte disso nasceu nas escolas, quando elas mudaram o cardápio das cantinas, influenciando positivamente a merenda dos alunos e contratando nutricionistas para fazer parte de seu quadro profissional”, destaca ela, completando em seguida.

“É importante que os pais estimulem hábitos alimentares saudáveis na infância, pois eles serão solidificados na vida adulta. Os pais são os responsáveis pela qualidade e escolha dos alimentos em quase todos os momentos da vida de seus filhos, seja na compra, na preparação ou no momento do consumo”.

Em janeiro deste ano, Iêzide comandou uma oficina temática com o público infantil e aproveitou para explicar que quem deseja manter a saúde em dia precisa manter uma rotina de bons hábitos alimentares. “Fiz questão de mostrar a eles que vivemos numa sociedade em que o padrão alimentar está cada vez mais inadequado devido ao aumento do consumo e oferta de alimentos industrializados, ricos em açúcares, aditivos e gorduras”, contou ela, que a partir da oficina viu os horários de consulta serem preenchidos rapidamente.  Ponto para a boa alimentação!

Lancheira: o que devo colocar

Um líquido: Pode ser água de coco, suco ou chá, preferencialmente sem açúcar.

Uma fruta: Coloque a cada dia uma fruta diferente!

Uma proteína: Pode ser queijo ou iogurte. Iêzide dá a dica: “Dê preferência pelo natural”.

Um carboidrato: É fonte de energia! Prefira pão integral, bolachas sem recheio ou bolo caseiro. “Mas não exagere na quantidade, é apenas um lanche”, diz.

Dica: Misture a fruta com o iogurte natural, usando o açúcar natural da fruta para adoçar.

Lancheira: o que não devo colocar

Balas, salgadinhos, refrigerantes e sucos artificiais, frituras, biscoitos recheados e bolos recheados e com coberturas.

“Quanto mais natural for o lanche do seu filho, mais saudável será”, diz Iêzide.

Aprenda a fazer receitinhas saudáveis na matéria publicada na página 8 da edição 65 do jornal “Transporte.Log”. Aceso pelo link https://www.yumpu.com/pt/embed/view/RdTphbkJvyW4z3xB